Aportes periódicos podem potencializar ou prejudicar os retornos dos investidores? - Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Aportes periódicos podem potencializar ou prejudicar os retornos dos investidores?

Continuando a série de posts sobre a viabilidade do investimento em ações no país da renda fixa (e da poupança!), hoje vamos verificar se os aportes periódicos são benéficos e o quão bom ou ruim eles são para a criação de um patrimônio, sempre pensando em investimentos para o longo prazo - de preferência para a aposentadoria.

Mas antes de entrar no assunto do dia, vamos relembrar o que nós já vimos aqui nessa série de postagens sobre investimentos em ações versus CDI. Recomendo sempre que leiam o primeiro post da série, pois é lá que estão as respostas para a grande maioria das perguntas que as pessoas me fazem sobre os resultados apresentados:

  1. Vale à pena investir em ações? Comparativo com o CDI de 1998 a 2015.
  2. Vale à pena seguir as recomendações dos analistas? Comparativo com o CDI de 2001 a 2017.
  3. Aqui tem um vídeo explicando os dois posts acima, para quem não quiser ler.
  4. O investimento em ações tem capacidade de ganhar de 130% do CDI?

Aproveito também para convidá-los a se inscreverem em nosso canal do YouTube (clique aqui)!

ATUALIZAÇÕES DOS POSTS (1) "VALE À PENA INVESTIR EM AÇÕES?" E (4) "O INVESTIMENTO EM AÇÕES GANHA DE 130% DO CDI?"

Como as metodologias de escolha das carteiras de ações com base em fundamentos e capacidade de pagamento de dividendos está explicada no post (1) e a metodologia para a escolha das carteiras de ações baseadas no consenso dos analistas está explicada no post (2) e os links estão aí em cima, eu apresentarei apenas os gráficos com uma breve análise de atualização daqueles posts que fiz anteriormente.

Lembro que boa parte dessas análises e atualizações que estou fazendo foram baseadas em críticas e sugestões que tenho recebido.

Gostaria de receber mais críticas e sugestões aqui nos comentários para fazer novos posts - minha criatividade está acabando. Fiquem à vontade!




FAZER APORTES PERIÓDICOS EM AÇÕES PODE AUMENTAR CONSIDERAVELMENTE O MEU PATRIMÔNIO NO LONGO PRAZO?

Analisando o gráfico, é possível ver que a educação financeira, paciência e persistência, aliados à escolha de boas empresas para se investir fazem uma grande diferença na criação de patrimônio do investidor.

No caso do backtest apresentado, baseado na metodologia do post "Vale à pena investir em ações?" - cujo link está no início desse texto - é possível notar que o investidor que consegue aplicar R$ 10.000,00 (R$ 10 mil!) anualmente nas 10 melhores empresas de cada ano (não foram as 10 que mais valorizaram, foram as 10 com melhores fundamentos), pode formar um patrimônio muito grande.

E aí, se você optou por ficar preso ao CDI (130% dele, na verdade), perdeu uma ótima oportunidade de se aposentar mais cedo, ou até mesmo realizar um grande sonho.

Não digam que foi por falta de aviso. Mas vá com cuidado e muito estudo.

E vamos ser sinceros. Uma pessoa com um salário razoável, sendo bem equilibrada financeiramente, consegue juntar R$ 10.000 em um ano com certa tranquilidade.

Se considerarmos até mesmo as pessoas que ganham bem pouco (média nacional), ainda é possível investir e montar um bom patrimônio. Mas isso é assunto para outro post que já está engatilhado.






Veja clicando aqui algumas pequenas dicas que eu dei para economizar dinheiro e começar a investir.



FAZER APORTES PERIÓDICOS EM AÇÕES, MESMO SEM TEMPO PARA ANALISAR AS EMPRESAS, MAS SEGUINDO OS ANALISTAS, PODE AUMENTAR CONSIDERAVELMENTE O MEU PATRIMÔNIO NO LONGO PRAZO?

Lembro, antes de mais nada, que aqui eu usei o consenso dos analistas, que está explicado no post (2) da série: "Vale à pena seguir as recomendações dos analistas?".

O link está no início desse texto. Existem analistas melhores e outros piores. Eu fui na "média", que chamamos de consenso.

O gráfico abaixo mostra o investimento em ações escolhendo as 10 melhores empresas de cada ano é superior a qualquer outra estratégia apresentada no gráfico: 130%*CDI, consenso dos analistas etc.

Contudo, como os analistas trabalham para quem não tem tempo, experiência e conhecimento do assunto, podemos ver que a estratégia de seguir o consenso dos analistas ainda gerou um patrimônio 11% maior do que o investimento no CDI pagando 130%.

É claro que há volatilidade no investimento em ações, porém, para investidores de longo prazo, a volatilidade é pouco importante.

O montante investido ao longo desses 15 anos do gráfico foi de R$ 150.000,00, equivalente a R$ 10.000,00 por ano.

Isso geraria um patrimônio 9,64x maior, se o investidor tivesse escolhido com base nos fundamentos as 10 melhores empresas de cada ano, enquanto que geraria um patrimônio 4,43x maior do que o montante investido, caso seguisse o consenso dos analistas e 4x maior caso tivesse investido a 130% do CDI.

O Ibovespa, como sempre, passando vergonha: 1,47x o montante investido.

Pensem nisso!


P.s.: veja que o gráfico aqui começa em 2001, enquanto que o gráfico anterior começa em 1995. No post 2 isso é explicado. O motivo é que só temos informações de analistas aqui na UFPB desde 2002.



Considerações Finais



Mais uma vez são apresentadas evidências de que vale à pena investir em ações, desde que a mentalidade do investidor seja o longo prazo.

Todavia, gostaria de reiterar alguns pontos que apresentei nas considerações finais do último texto que fiz antes desse sobre este assunto:

  1. Antes de investir em ações, é preciso que as pessoas sejam educadas financeiramente, gastem menos do que ganhem e estudem sobre os riscos do mercado. Vejam um post que fiz sobre isso aqui no blog no final do ano passado: final do ano é é poca de pensar no futuro.
  2. É importante que as pessoas saibam que os retornos passados não são garantias de retornos futuros, porém essa é, talvez, a melhor forma de testarmos estratégias. Cuidado com isso.
  3. Tenho outro post que deverá sair nas próximas semanas sobre aportes anuais menores do que R$ 10.000,00 e duas outras análises sobre as ações menos recomendadas (que estão fora do radar da maioria) e ações com mais recomendações de venda.

Vídeo


5 comentários:

  1. Especialmente curioso pra ver esse aqui: as ações menos recomendadas (que estão fora do radar da maioria).
    Gostaria também de ver um backtest que considere os menores EV/EBITDA como indicador base. Nos EUA, há críticas a respeito, mas também há quem diga que funciona melhor do que utilizar a conjunção de menor EV/EBITDA com maior ROE, em termos de rentabilidade da carteira. Gostaria de ver esse raciocínio aplicado a ações da nossa bolsa.
    No mais, como sempre, parabéns pelo conteúdo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mazinho, as ações menos recomendadas deverá sair após o canarval. A outra sugestão eu vou anotar e colocar na fila, mas deverá demorar mais.

      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
    2. Tranquilo, Felipe. Sigo acompanhando.

      Excluir
  2. Muito bom!!!
    Continue assim.
    Tem poucos estudos com mercado brasileiro.
    Acredito que aplicando "Greenblatt" chegue as mesmas conclusões que o mercado Americano.
    Obrigado.

    ResponderExcluir

Translate