IFRS e os Bancos: que lucro você quer? - Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

quinta-feira, 28 de julho de 2011

IFRS e os Bancos: que lucro você quer?

Talvez os defensores do IFRS argumentem que esse padrão tem uma maior qualidade que o nosso (fato que ainda não se tem como comprovar), porém... essas distorções e publicações em dois padrões pode, de fato, causar muita confusão entre os investidores. Isso faz aumentar ainda mais a importância da divulgação de cursos e trabalhos científicos em IFRS - tendência por um bom tempo para frente ainda.




Um lucro líquido de R$ 811 milhões ou de R$ 2 bilhões? Ontem, os acionistas do Santander podiam escolher o tamanho do resultado do banco que preferiam adotar, situação que causou um certo desconforto entre investidores e analistas.

Se optassem pelos números feitos pelas normas internacionais de contabilidade, o IFRS, os investidores teriam um lucro maior e com 18% de crescimento na comparação com o mesmo período de 2010. Já pelas regras brasileiras, a última linha do balanço seria menos reluzente e teria encolhido 19%.

Qual dos números está correto? A resposta, que pode mais confundir do que ajudar, é: os dois. Isso porque pelas regras do Banco Central as instituições financeiras devem apresentar seus números pelo padrão brasileiro de contabilidade. Só no balanço anual precisam apresentar uma versão também em IFRS.

Porém, desde o início deste ano, a Comissão de Valores Mobiliários exige que as demais companhias de capital aberto mostrem seus balanços pelo padrão internacional, deixando de lado a contabilidade local. Por isso, se os bancos quiserem, podem entregar o balanço na norma internacional também, o que é autorizado pelo BC. É o que o Santander fez. Por ser um banco europeu, já divulga o resultado em IFRS na Espanha.

Ontem, os relatórios dos analistas deixaram claro que se tornou bastante difícil observar o desempenho dos bancos. “A diferença entre os diversos padrões contábeis e ajustes poderiam levar a diferentes interpretações”, afirmaram os analistas do Goldman Sachs. No Barclays Capital, o entendimento foi no mesmo caminho. “Achamos difícil avaliar qual era o consenso [de mercado] esperado.”

O encolhimento do lucro no padrão contábil brasileiro se deve, principalmente, à forma como os dois modelos tratam as provisões para crédito e para processos judiciais, que podem ser muito mais conservadoras no modelo brasileiro. Só esse ponto gerou uma diferença de R$ 500 milhões entre os dois resultados.


Outro item que recebe tratamento diferenciado é a amortização do ágio, que não existe no IFRS. Por causa da aquisição do Real, isso é relevante para o Santander, o que faz seu lucro encolher no padrão brasileiro
.
Fonte: Valor Econômico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate