Revisitando a evolução do patrimônio investindo em vacas leiteiras - Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Revisitando a evolução do patrimônio investindo em vacas leiteiras

Ano passado eu publiquei um texto aqui no blog demonstrando que existe vida além da renda fixa e que se escolhermos boas empresas para investir, com foco em longo prazo, podemos ganhar muito mais. Há também alguns vídeos no YouTube sobre o assunto.

Esse texto teve uma boa repercussão e numa conversa essa semana com Marco Saravalle resolvi fazer uma análise um pouco diferente daquela do ano passado.

O twite abaixo de Marco é uma ótima introdução para o texto de hoje!




Com a ajuda da minha ex-aluna Paula Bianca (e, se tudo der certo, futura orientanda do PIBIC) chegamos aos dados que serão apresentados abaixo (a planilha está no final do texto). 

Aos que ainda não leram o texto que eu estou me referindo (com mais detalhes do que este), basta clicar no seguinte link: Vale à pena investir em ações? Comparativo com o CDI de 1998 a 2015

Sem mais delongas, o texto está dividido dessa forma: 1) Explicação da Metodologia; e 2) Apresentação dos Resultados e o link da planilha para download dos dados.

METODOLOGIA PARA A FORMAÇÃO DAS CARTEIRAS DE INVESTIMENTO

Primeiro de tudo, os dados foram coletados na Thomson Reuters e na Economatica. Assim, agradecemos à Universidade Federal da Paraíba por nos fornecer acesso a essas bases de dados.

Nós fizemos algo bem mais simples dessa vez. Calculamos o índice payout (dividendos que foram pagos divididos pelo lucro do ano) e selecionamos a cada ano as 10 empresas que tiveram o maior nível de pagamento de pagamento de dividendos. Só isso.

Assim, as 10 empresas que tiveram o maior payout com base no lucro de 1996, por exemplo, foram incluídas na nossa carteira de 1996. Como o lucro de 1996 é divulgado apenas no primeiro trimestre de 1997 (1T97), nós consideramos a carteira montada no dia 31/03/2017, que é, teoricamente, o último dia para a divulgação das demonstrações financeiras e marcar a Assembleia Geral Ordinária.

Ou seja: não estamos olhando primeiro para o retorno para depois escolher as ações. Olhamos primeiro para o payout, para escolher as ações e só depois calcular o retorno 1 ano depois da data que escolhemos as ações.

Fizemos esse mesmo procedimento nos últimos 20 anos, de 1997 a 2017, inserindo na carteira apenas as empresas que estavam no rol das 10 com maior payout.





RESULTADOS OBTIDOS COM O REBALANCEAMENTO ANUAL DAS EMPRESAS QUE MAIS PAGARAM DIVIDENDOS

O gráfico abaixo nos mostra o retorno anual da nossa carteira com as dez maiores pagadoras de dividendos de cada ano.

Vejam que os retornos são bem voláteis, porém apenas 1998, 2008, 2013 e 2015 a carteira apresentou retornos negativos sendo o maior dele de 21% durante a Crise de 2008.




Apesar da volatilidade, que só representa um problema muito grave para investidores que só pensam em curto prazo, o patrimônio gerado por esse investimento foi de mais de 64x o investimento inicial. 

Se o indivíduo investiu R$ 1,00 lá em 1998, seu patrimônio se transformou em R$ 64,82 em 2017. Isso deu um retorno médio anual de mais de 23%!

Quem me acompanha nas redes sociais sabe que eu gosto de lutas e acompanho MMA. Um dos meus lutadores favoritos é Royce Gracie e ele tem uma frase perfeita para os investidores fundamentalistas de longo prazo (redundância para enfatizar): eu sou paciente e persistente, uma combinação chata

Nesse caso, a combinação chata é para os bancos e "assessores" que só te recomendam CDB, fundo de renda fixa, título de capitalização, poupança etc.



CONSIDERAÇÕES FINAIS

Nos próximos dois textos eu apresentarei o efeito dos aportes periódicos (anuais) na carteira e qual foi a evolução patrimonial do indivíduo que resolveu investir todo o seu dinheiro apenas em uma única ação: a que esteve mais vezes entre as maiores pagadoras de dividendos da bolsa.

Por fim, lembro que retorno passado não garante retorno futuro e que eu não dou nenhuma recomendação de investimento aqui.


2 comentários:

  1. Amigo, todos os anos voce inclua no roll das 10+ as que mais pagarm dividendos, e excluia as que saiam das 10+? Ou pegou as 10+ de 1996 e manteve elas durante esses anos todos?

    ResponderExcluir
    Respostas



    1. Hudson, só as 10 melhores de cada ano. Em 1996 teve a Coelce. Em 1997 ela também estava entre as 10, então ficou na carteira.

      A planilha com os dados está no post, caso queiram conferir e fazer outras análises.

      Excluir

Translate