CVM rejeita acerto com KPMG no caso da Sadia - Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

Contabilidade & Métodos Quantitativos

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

CVM rejeita acerto com KPMG no caso da Sadia


Silvia Fregoni | De São Paulo
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) rejeitou propostas de termo de compromisso apresentadas pela auditoria KPMG e pelos sócios Adelino Dias Pinho e Carlos Augusto Pires no caso das perdas com derivativos superiores a R$ 2,5 bilhões contabilizadas pela Sadia em 2008. Os prejuízos resultaram na venda da companhia para a Perdigão, formando a Brasil Foods.
A KPMG e o sócio Dias Pinho se mostraram dispostos a pagar, conjuntamente, R$ 300 mil para encerrar o caso, enquanto Pires ofereceu R$ 50 mil. O comitê de termos de compromisso entendeu que as propostas não eram adequadas à gravidade das acusações.
"A aceitação da proposta não seria oportuna tendo em vista o caráter pedagógico-norteador do termo de compromisso para os participantes do mercado, especialmente para os prestadores de serviços de auditoria independente, cuja atuação é de extrema importância para o funcionamento eficiente do mercado", diz o comitê.
Para a decisão, o órgão também considerou o histórico de acusações contra a KPMG na CVM, citando um acordo firmado em 2009 por conta de um parecer sem ressalva da WTorre e mais dois processos sancionadores.
O colegiado da autarquia acompanhou a análise do comitê e rejeitou as propostas em reunião realizada em 14 de dezembro, mas cujas decisões tornaram-se públicas apenas ontem. Como não houve acordo entre as partes, futuramente será marcado um julgamento.
A CVM acusa os auditores de ausência de ressalva no parecer do balanço de 2007, bem como nos relatórios sobre as contas trimestrais de 2008. Segundo a autarquia, embora tivessem sido identificadas operações de derivativos, as notas explicativas não falavam sobre os riscos de perda em dobro no caso de mudança cambial.
Em sua defesa, a KPMG e os sócios afirmaram que a análise realizada na época constatou uma estabilidade da política cambial e revelou baixa exposição cambial líquida dos instrumentos financeiros. Procurada, a auditoria não quis se manifestar e ressaltou que o processo ainda não foi encerrado.

Fonte: Valor Econômico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate